sábado, 18 de maio de 2024

É NA ESCURIDÃO DA NOITE SOMBRIA QUE MELHOR VEMOS BRILHAREM AS ESTRELAS

Ao criar sua majestosa Noite Estrelada, Van Gogh teve de buscá-la na memória, pois
no sanatório em que estava internado não lhe permitiam pintar no quarto de dormir.
dalton rosado
A DITADURA DO FETICHISMO DA MERCADORIA
Não há ditadura maior do que o fetichismo da mercadoria. Isto porque se processa na mente, ainda que seja auxiliada pelas armas e por estas imposta desde o seu surgimento.

Mesmo diante da intensificação das alterações climáticas causadas pelo aquecimento global, para o qual concorrem principalmente as duas locomotivas capitalistas do mundo (Estados Unidos e China) e a omissão dos fóruns internacionais que deveriam priorizar a salvação da espécie humana, o capital segue em frente na sua faina autofágica.

Assim é que o Rio Grande do Sul padece sob tempestades de chuva e vento que matam e desabrigam dezenas de milhares de pessoas.

Paralelamente, intensificam-se as guerras com poderio bélico, com poderio bélico cada vez mais avassalador;  e também podemos sucumbir como espécie graças a uma guerra nuclear que volta a nos assombrar como nas décadas de 1950 e 1960, quando os cidadãos chegavam a adaptar os porões de suas casas para servirem de abrigos atômicos quando acontecesse o pior.   

A que se deve o flagelo da guerra, senão à ambição de poder e riqueza decorrente do fetiche da mercadoria, embrutecendo o ser humano e tangendo-o de forma inexorável para a morte?

Por que se gastam milhões na produção de armamentos:
— senão para gerar o lucro da venda de tal produção e possibilitar que algumas nações armadas até os dentes submetam os países com menor poder de fogo?
 senão em razão dessa coisa absurda que é a coisificação da vida pelo processo de mercado, com a morte sendo celebrada no altar do fetichismo da mercadoria, o santo graal da modernidade decadente?

O jovem estadunidense que deixou sua vida e seu sangue derramado nas terras vietnamitas, ou voltou mutilado no corpo e/ou na alma por matar pessoas que desconhecia, é igual aos russos e ucranianos que deixam seus sonhos de amores e realizações nos campos de trigo do país invadido.

Entretanto, Lyndon Johnson e Vladimir Putin, títeres da tirania política do capital, justificaram e justificam a morte em nome de uma hipotética vida coletiva que eles afirma(ra)m estar ameaçada, sem explicar que eram/são movidos por uma engrenagem política a serviço do capital, do qual são obedientes representantes teleguiados por uma esquizofrenia demoníaca que lhes dá ordens repulsivas, e que consiste no fetichismo da mercadoria.

A vida sob o regime de produção de mercadorias ilude a todos como o sonho do apostador em loterias que faz planos para gastar a dinheirama que pretende ganhar graças àquele bilhete e que, assim, continua a jogar mais para manter viva sua esperança, ainda que as possibilidades estejam esmagadoramente contra ele. 

O êxodo de jovens russos avessos a arriscarem suas vidas numa mera guerra de conquista atesta o fracasso da propaganda oficial que tenta convencê-los da existência de objetivos nobres como a defesa da pátria.  Cresce cada vez mais o número dos convictos da iniquidade dessa guerra. 
Heróis são os que têm a coragem de dizer não à matança bestial, ainda que isto lhes custe as piores perseguições.

Os protestos contra os massacres israelenses aos palestinos em Gaza, nos campi das universidades estadunidenses de Columbia e Nova York, foram reprimidos por policiais obedecendo ordens políticas que justificaram (falaciosamente) tais atos como sendo necessários para retomada do campus, que sofreu atos perturbadores de violência, formas de intimidação e destruição de propriedade.

Certo estava Bertold Brecht: Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem.

Há uma violência intrínseca à forma-mercadoria que é pouco percebida em razão da sua aparente neutralidade, ou seja, por apresentar-se como um fato social aparentemente ingênuo e benfeitor: a produção de objeto que, transformado em mercadoria, atende ao consumo e satisfação de uma necessidade social, humana. Só que, ao fazê-lo de modo meramente oportunista, encobre a essência de seu conteúdo de segregação social.

Assim, a necessidade humana de tais ou quais produtos é utilizada para se obter a escravização indireta pelo trabalho abstrato produtor de mercadoria e mais-valia. que concentra a riqueza material transformada em riqueza abstrata e assim viabiliza a acumulação excludente do capital. 

Tem, portanto, sua essência configurada como um vírus corrompedor de toda a sociedade, responsável pela decomposição da alma humana.

A mercadoria tem valor de uso e valor de troca, que se consubstanciam como acumulação excludente de valor do tempo-trabalho nela hipostasiado, daí decorrendo a acumulação de capital num processo de necessária reprodução continua que tende ao infinito, mas que termina por esbarrar na finitude do consumo humano e nas contradições que lhes são imanentes, tornando-se socialmente destrutiva e, por fim, autodestrutiva de sua forma fantasmagórica.

É a segregação social da forma-mercadoria e seus paradoxos existenciais que se manifestam nas disputas de mercado, com cada capitalista produtor e detentor da sua mercadoria tentando excluir os seus concorrentes, após explorar o trabalho abstrato e o tempo-valor de quem a produz. Ou seja, trata-se do eterno motor da guerra entre os homens teleguiados pela ditadura da riqueza abstrata nela contida e à qual os homens servem politicamente.   

É inaceitável falar-se em democracia como sinônimo de expressão da livre vontade coletiva, se nas tais eleições livres são escolhidos governantes que nada governam, mas que são, isto sim, governados a priori por uma relação social ditada pelo fetichismo da mercadoria, que a tudo corrompe socialmente.

Quando um governante se corrompe, apropriando-se indebitamente dos impostos estatais do aparelho de estado que serve à grande e abrangente corrupção da forma-mercadoria (leia-se capitalismo), seja para si ou para a manutenção política do seu partido, ele está estabelecendo uma concorrência com o Deus a que serve politicamente (o aparelho de estado nada mais é do que um serviçal do capital). 

Daí existir um constante
frisson entre a necessidade de reprodução do capital e a debilidade de sua cidadela protetora, o estado, quando subtraída pela corrupção política.   

Sergio Moro e seus amigos do Ministério Público, manipulando o processo criminal pelo uso de arbitrariedades na instrução processual, pareceram falsa e equivocadamente ser benfeitores sociais, pois o grande público era induzido por um processo midiático político-judicial parcial e faccioso a crer que se combatia realmente a corrupção com o dinheiro dito público (o qual não pertencia ao público público e, para piorar, a corrupção jamais deixou de existir e ainda existe). 

O episódio da Lava-Jato deixará como legado, para os historiadores futuros, a conclusão de que enquanto perdurar a forma-mercadoria como sistema social de produção, existirão:
— o facciosismo  judicial hipócrita; 
— a corrupção sistêmica inerente ao próprio capital; e,
— de quebra, a corrupção política e do crime organizado, que se confundem por objetivos comuns, quais sejam o poder do dinheiro e seu poder derivado sem soberania de vontade, a política.

O dinheiro, única mercadoria sem valor de uso, é a representação numérica da abstração valor que comanda negativamente a vida social real e que somente se reproduz pela fórmula da crítica marxista: dinheiro que se transforma em mercadoria, que se transforma em mais dinheiro
Trata-se de um processo que tende ao infinito, até esbarrar na ilogia de sua própria essência destrutiva e autodestrutiva. Tal crítica, vale dizer, jamais foi 
observada pelos maus intérpretes, ditos marxistas, dos ensinamentos de Karl Marx, o sábio barbudo judeu-alemão antissionista (tal qual Albert Einstein).

Mas, ainda há esperança. Afinal, é na escuridão da noite sombria que melhor podemos ver brilharem as estrelas! (por Dalton Rosado)

quinta-feira, 16 de maio de 2024

ESTE MENINO ESTÁ MORTO. QUANTO É QUE VALIA O SORRISO DELE?

O menino Miguel morreu em 2020, com cinco anos, ao cair do nono andar de um prédio de luxo no Recife.

Sua mãe trabalhava como doméstica no apartamento de luxo pertencente ao então prefeito de Tamandaré, PE. 

A esposa do grande homem, como consequência, também desfrutava de uma existência de luxo e não poderia ficar sem sua serviçal durante a pandemia de covid. 

A mãe do Miguel foi obrigada a trabalhar quando deveria estar a salvo em casa, cumprindo o lockdown obrigatório, 

E, como a escola do filho estava fechada porque, ela sim, o respeitava, teve de levar a criança para o emprego.

Estava passeando com o cachorro dos patrões quando Miguel, deixado aos cuidados da primeira dama, perdia o sorriso para sempre.

A vida do Miguel não tinha preço, mas aquele casal merecia despender uma enormidade como indenização, o que decerto lhe doeria muito mais do que o apagar do brilho de um olhar infantil e o desvanecer de um sorriso inocente (o figurão que se cercava de tanto luxo chegava ao cúmulo de colocar o salário da empregada na conta da sua prefeitura!). 

A Justiça primeiramente resolveu que mãe e avó deveriam receber um total de R$ 2 milhões. 

Agora o Tribunal Regional do Trabalho decidiu que era demais para quem valia tão pouco e estipulou uma indenização de apenas R$ 500 mil para cada uma.

Só o sorriso do Miguel, para mim, faria jus a um mínimo de R$ 500 milhões. Mas, isto não sou eu quem determina. São eles, os que aplicam sem compaixão as regrinhas que sacramentam a desigualdade social.

A relatora do processo qualificou de excessivo o valor aplicado pelo juiz da 1ª instância:
"Deve-se considerar os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, bem como os parâmetros do art. 223-G da CLT, estabelecendo-se uma relação adequada entre a gravidade da lesão, o porte econômico dos empregadores, a condição pessoal das ofendidas e o valor da indenização imposta".
Vou parar por aqui, porque se teclar tudo que me vem à cabeça, acabarei me tornando eu o réu  dessa justiça canalha em seus fundamentos e procedimentos, segundo a qual o sorriso de uma doce criança é precificado partindo do critério de que quem produzira a mercadoria tinha baixo valor de mercado

E quanto valem os que vivem no luxo mas esperneiam na Justiça para aviltar o valor, não só material mas também simbólico, da vida inteira que foi roubada de um negrinho pobre? (por Celso Lungaretti)
Temos de soltar o grito preso na garganta, para não sufocarmos!
.
Alegações finais de advogado que trava batalha desigual contra o poder
econômico, após suas provas serem invalidadas por filigranas jurídicas.
Veja O Veredicto (d. Sidney Lumet, 1982) nos streamings Star e Prime 

terça-feira, 14 de maio de 2024

GREVE DA EDUCAÇÃO PODE SELAR DESTINO DO GOVERNO LULA 3

 

Não acredito que Lula e os lulistas mereçam conselhos, até porque conselho se dá a quem é amigo e deseja minimamente ouvir o que se tem a dizer, características muito distantes da turma hoje ocupante do Palácio do Planalto. Contudo, farei um alerta na esperança de ter algum impacto. 

A greve da educação federal no Brasil já completa 44 dias, 74 se formos contar a greve parcial dos técnicos nas universidades, desencadeada antes da recente onda. Praticamente todas as universidades e institutos federais do país estão parados, parcial ou totalmente. Nesse período todo, a proposta do governo Lula não foi muito além de oferecer uma recomposição salarial que sequer cobre a inflação futura, quanto menos a passada. É pedido 33% de reajuste para os técnicos e 21% para docentes, no entendimento que as perdas salariais dos técnicos é muito maior, passando de metade do salário. Mas o governo apresentou proposta de irrisórios 13%, a ser divido nos próximos três anos, muito longe do ideal, pois a inflação dos próximos anos é prevista para alcançar 11%. 

Pior!, o governo Lula, com Haddad e Tebet à frente, apostam em uma estratégia de divisão e cansaço da categoria. Estão fechando acordos com setores do funcionalismo considerados de maior peso, enquanto mantém a educação isolada com o ônus de uma greve longa e cansativa. No Colégio Pedro II, onde trabalho, já tivemos casos de docentes ameaçados por pais de alunos descontentes com a greve, além da criação de grupos de responsáveis para ir às portas dos campi serem filmados pela Globo gritando contra a greve. Não é preciso dizer que tais grupos congregam a nata do bolsonarismo, algo já esperado, mas também muitos lulistas. 

A etapa final da estratégia do governo é forçar a saída prematura dos docentes da greve, deixando os técnicos sozinhos, já com o intuito de terceirizar as funções desses servidores. Para isso, Lula e Haddad pretendem apresentar uma proposta de reajuste atraente para os docentes e revisar alguns pontos da carreira desses. Os professores, que em sua maioria sequer queriam entrar em greve, podem ficar tentados a aceitar o pedido e encerrarem sua mobilização. 

Contudo, a solução nesse sentido seria trágica para a educação, pois reforçaria a divisão entre técnicos e docentes, não necessariamente solucionaria o problemas dos últimos, pois ainda ficaríamos com perdas imensas, e esmagaria os técnicos. No caso do Colégio Pedro II, e de outras instituições federais, a situação é mais complexa porque o sindicato é unificado, então é impossível terminar a greve sem ter atendido às duas categorias. Ou seja, ficaríamos ainda mais tempo na greve, com um ambiente conturbado e com um desgaste gigantesco, interna e externamente. 

Porém - e aqui vai o alerta - o governo precisa se atentar que a educação é o setor que mais apoiou a eleição de Lula em 2022. Esmagar essa categoria é um contrassenso, ainda mais sabendo-se que setores do funcionalismo profundamente bolsonaristas receberam recomposições vultuosas, como é o caso da PRF, da PF e dos policiais penais, com reajustes que bateram os 60% no caso dos últimos. O governo envia a mensagem que os inimigos precisam ser premiados, mas os aliados devem ser tratados a pontapés! 

A popularidade de Lula caí a cada dia, fruto de sua política econômica atrelada aos interesses dos capitalistas. Ele vai sendo tragado pela crise capitalista e, caso opte por penalizar a educação, terá menos um grupo de apoiadores. A derrota da greve da educação poderá selar o destino de Lula 3, com um fim trágico para esse. (por David Coelho) 



segunda-feira, 13 de maio de 2024

NADA TENHO A DIZER À INFIEL TORCIDA E AO PRESIDENTE QUE VAI PRIVAR O CORINTHIANS DO SEU MAIOR ÍDOLO. BASTAM ESTES VERSOS

Ninguém assistiu ao formidável
enterro de tua última quimera.
Somente a ingratidão – esta pantera –
foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O homem, que nesta terra miserável
mora entre feras, sente inevitável
necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
a mão que afaga é a mesma que apedreja

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
apedreja essa mão vil que te afaga,
escarra nessa boca que te beija!
(Augusto dos Anjos, Versos íntimos)
.
Observações: sem nenhuma surpresa, vejo concretizado o desfecho que eu já antevia 20 dias atrás, ao lançar este post.

O goleiro responsável pelas duas maiores conquistas corinthianas em todos os tempos e segundo atleta que mais atuou pelo timão até hoje (712 partidas) já acertou sua transferência para o Cruzeiro.

Além da relutância em passar definitivamente à reserva quando ainda sonha com mais uma volta por cima, Cássio está desgostoso com as pressões mesquinhas dos torcedores e com a falta de grandeza do presidente Augusto Melo ao lidar com seu caso.
Último grande ídolo do Corinthians, líder incontestável do elenco, ele merecia encerrar sua carreira como atleta de uma forma muito mais honrosa, pelo menos alternando-se na titularidade com o Carlos Miguel até terminar seu contrato no final deste ano. 

E já deveria ter sido acertado para o Cássio, depois das obrigatórias homenagens,  assumir imediatamente outra função no clube. 

Mas, nada tendo sido feito em  tempo hábil, seu destino acabou sendo decidido pela pantera da ingratidão. 

O Corinthians hoje é uma nau à deriva. (por Celso Lungaretti)

A INDIGNAÇÃO DO MINISTRO PETISTA É JUSTIFICADA, MAS FOI SEU PARTIDO QUEM DEIXOU O OVO DA SERPENTE CRESCER TANTO

Abaixo reproduzo trechos de um desabafo do ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta, contra a infestação de fake news. Ele tem a minha total solidariedade. 

Vale lembrarmos, contudo, que a postura do partido do Pimenta era bem diferente em 2007, quando nós, da esquerda que era e continua sendo revolucionária, enfrentávamos o mesmíssimo problema. 

Se os petistas houvessem então somado forças conosco contra as viúvas da ditadura e os novos fascistas que estavam formando, provavelmente o ovo da serpente nem sequer teria eclodido e infernizado a tal ponto o cotidiano dos brasileiros. 

Pimenta soaria muito mais verdadeiro agora se sua catilinária viesse acompanhada por uma sincera autocrítica, pois a eternidade que tal ficha demorou a cair para o PT se mede, inclusive, pelo número de mortes evitáveis mas não evitadas durante a recente pandemia: uns 400 mil brasileiros dizimados como consequência da sabotagem vacinal  (por Celso Lungaretti)
"CONFESSO QUE PERDI A
 CABEÇA COM MENTIROSOS"  
"
Na madrugada em que se completaram dez dias do maior desastre meteorológico da história do meu estado natal, fiquei acordado respondendo diversas mensagens de preocupação. 

Dezenas de pessoas me enviavam em seus celulares um vídeo onde supostamente eu era linchado à noite em uma visita a um abrigo. Amigos, companheiros, familiares me perguntavam se eu estava bem, se precisava de ajuda. 

O vídeo é mais um episódio de uma estratégia organizada de desinformação que acontece no Rio Grande do Sul. As imagens são de uma assembleia sindical no Ceará, onde alguém (que não sou eu) é alvo de violência, porém as mensagens não apenas davam a entender que o vídeo era atual e me envolviam, como diziam que eu estava tendo a recepção que merecia. 

Mentir não é novidade, a mentira não nasceu com o WhatsApp, mas é nas redes sociais que surge o fenômeno de produção de mentiras em escala industrial, com ações coordenadas e métodos para desinformar.

É difícil de entender que em um momento de tamanha fragilidade, pessoas se escondam em suas telas produzindo conteúdos que sabem ser mentirosos para que tenham algum tipo de ganho político ou econômico. 

Por isso me indigno. Por isso, falei que deviam prender quem tem propositalmente produzido essas mentiras de forma estratégica para desinformar as pessoas, por isso oficiei a Advocacia Geral da União e a Polícia Federal para que investiguem essas pessoas como criminosos.
" (ministro Paulo Pimenta, da Secom)
Observações  antes tarde do que nunca, o PT não só denuncia o uso desembestado da mentira por parte da extrema-direita para desqualificar seus adversários políticos, como pede que tal prática seja investigada e punida com prisão dos responsáveis.  

Eu concordo, até porque já defendia a adoção de tais medidas... em 2007! (vide  aqui, p. ex., uma denúncia que então fiz e o tiroteio cerrado que provocou nos comentários). 

Se a força majoritária da nossa esquerda tivesse também erguido tal bandeira quando nós, os sobreviventes da luta armada, sofríamos idêntica campanha de satanização virtual (um balão de ensaio para a atual produção de mentiras de forma estratégica a que se refere Pimenta), talvez o infame palhaço assassino nem sequer tivesse sido eleito na mais mentirosa e manipulada eleição brasileira de todos os tempos, a de 2018. 

Contudo, o inimigo de classe naquele tempo era subestimado pelos petistas, que se mostravam muito mais hostis a nós do que aos ultradireitistas, praticamente os ignorando, como se fossem malucos sem real importância. 

Deu no que está dando. (CL)

domingo, 12 de maio de 2024

ROGER CORMAN (1926-2024) FAZIA FILMES BROTAREM COMO COGUMELOS. E ALGUNS FORAM SURPREENDENTEMENTE BONS!

O estadunidense Roger Corman, que acaba de morrer aos 98 anos, deve ser o recordista em citações no IMDb, a portentosa base de dados online sobre cinema, TV, música e games. 

Seu nome é associado a 493 filmes como produtor ou produtor executivo, tendo dirigido 56 e sido ator coadjuvante em 46.

Conhecido como o rei do filme B, fazia brotarem como cogumelos produções baratas mas eficientes para completarem os programas duplos de cinemas do século passado (daí terem quase sempre duração ao redor de 80 minutos, enquanto a atração principal dificilmente ficava abaixo de 90'), bem como, depois, para ocuparem espaços entre a tralha que inundava as locadoras de VHS.  
Orgia da Morte, o mais próximo que Corman chegou da direção autoral
Era, em suma, um pau pra toda obra, o que não o impediu de:
— legar pelo menos um filmaço  (Orgia da Morte, 1964);
— fazer oito adaptações memoráveis de histórias de Edgar Allan Poe no período (1960-1964), tendo Vincent Price como protagonista; e 
— produzir Corrida da Morte – Ano 2000, que virou um inesperado cult, dirigido por Paul Bartel e estrelado por David Carradine (Sylvester Stallone também participou).
Clique aqui para assistir no Youtube a Corrida da Morte – Ano 2000 
Finalmente, merece ser lembrado um prodígio de improvisação de Corman em 1963, quando completou antes do tempo as filmagens do seu O corvo, com Boris Karloff, Vincent Price e Peter Lorre nos papéis principais e Jack Nicholson, aos 26 anos, interpretando um aprendiz de feiticeiro.

Tendo o cenário à sua disposição e Karloff sob contrato por mais dois dias, ele e os roteiristas atravessaram a noite criando a história de outro filme, estrelado pelo velho astro e com a ascensão de Nicholson a segundo do elenco. Todas as cenas com Karloff foram filmadas nesses dois dias.
O Corvo: veteranos ilustres no remake  jocoso de um sucesso de 1935
O filme foi completado em partes durante uns três meses, com os atores restantes; a direção coube ora a Corman, ora ao amigo dele que estivesse disponível no momento (até mesmo o Francis Ford Coppola deu uma força!). 

E não é que dessa colcha de retalhos resultou um filme perfeitamente assistível?! (por Celso Lungaretti)
Sombras do Terror: um improviso tão competente que ninguém percebe

quinta-feira, 9 de maio de 2024

EM 71 CAETANO VELOSO JÁ DIZIA: "TODOS SABEM QUE AS NOSSAS CIDADES FORAM CONSTRUÍDAS PARA SEREM DESTRUÍDAS"

 dalton rosado
A DECADÊNCIA EXPLÍCITA DAS CIDADES
Edifício histórico de Fortaleza, o São Pedro já estava com 
tombamento aprovado, mas em 2021 foi devolvido ao dono
 
Salta aos olhos o nexo causal das mutações sociais em curso, provocadas pela era da terceira revolução industrial da microeletrônica e sua inadaptação às relações sociais próprias ao patriarcado do sistema produtor de mercadorias.  

Em nenhum momento da História houve tão profundas e rápidas transformações de hábitos comportamentais e de produção de mercadorias e serviços em face da inconciliabilidade entre forma e conteúdo nas relações sociais capitalistas como as que estão a ocorrer nos últimos 50 anos.

A tecnologia da era cibernética da microeletrônica trouxe consigo a mais profunda mutação própria ao processo dialético histórico já havido anteriormente... e pode se tornar revolucionária, caso venhamos a compreender o seu uso socialmente necessário.
 
Entretanto, tal inconciliabilidade está a exigir novos conceitos de produção e serviços sociais justamente porque, ao invés de trazer comodidade de vida às pessoas (proporcionada pelos ganhos do saber adquirido), está a causar a decadência social de modo acentuado e perigoso. Todo dia agora se ouve falar em guerra atômica.
Outros edifícios provisoriamente tombados: acabaram
destruídos antes de serem restaurados e reaproveitados

Eis que:
— sabemos ir a Marte e não sabemos como aplacar a fome no mundo, que aumenta cada vez mais;
— sabemos muito sobre genética humana, mas estamos promovendo a destruição da vida por aquecimento do planeta;
 fazemos cálculos antes inimagináveis em segundos e ignoramos os números da tragédia vivida pela humanidade;
 sabemos racionalmente da importância da paz e nos armamos com máquinas da morte cada vez mais sofisticadas para a promoção da guerra, etc.

Ou mudamos o nosso modo de produção e distribuição de bens necessários ao consumo, colocando a tecnologia ao nosso favor, ou vamos sucumbir diante da inviabilidade de vida social configurada na paralisia da falência capitalista e do seu estado mantenedor.

Não se produz porque não se vende, e não se vende porque não se produz. A cobra está a comer a sua própria cauda.

Em qualquer cidade do mundo capitalista, nas quais a cisão social foi sempre perceptível, mais ou menos acentuada dependendo do país, há dois fenômenos visualmente perceptíveis:
Esta é a Fortaleza que não aparece nos cartões postais
 crise habitacional para os pobres e enclausuramento dos ricos nos condomínios de luxo por medo da violência urbana; e
 migração das lojas, dos antigos centros comerciais para os shopping centers.

A questão do fechamento das lojas se prende a dois fatores básicos: as compras pelo sistema de
delivery por aplicativos e o aumento dos assaltos à mão armada. 

A segurança de shoppings centers e condomínios fechados, aliada às compras e serviços que são efetuadas por aplicativos, transformaram os hábitos de uma forma generalizada.

Tudo se faz e se trata via celulares e a comunicação eletrônica por estes aparelhos e computadores é preponderante. Já se conversa com o vizinho de mesa por telefone e, em qualquer fila de espera, 80% de  todas as pessoas que ali estão têm os olhos fixos na telinha.

Advogados peticionam eletronicamente; os processos são digitalizados; as audiências são virtuais e a vida sem interação humana é cada vez mais individualista. Idem, idem para cálculos de engenharia e desenhos arquitetônicos, resultados de consultas médicas e até cirurgias à distância.

Nas grandes fábricas impera a robotização que substitui os operários, que desempregados, mendigam os empregos que sempre os escravizaram, e já não têm força de exigência e pressão por melhores salários, contentando-se com a preservação do emprego cada vez mais precarizado e tremendo de medo face aos frequentes cortes de pessoal.
Grauciano Rodrigues, campeoníssimo surfista
cearense, continua morando até hoje na favela

Na Fortaleza em que vivo há 54 anos e pela qual me apaixonei, a cisão social sempre existiu mas agora toma ares dramáticos.
         
Em contraste com uma Beira-Mar lindíssima, iluminada pelo sol do ano todo e pelas luzes de neon durante a noite com seus prédios luxuosos margeando os belíssimos verdes mares cantados em prosa e verso, notam-se, à pouca distância, a imagem da decadência.

A Praia do Futuro tem um presente de favelização crescente, daí a mercadoria terra não ser acessível a quem ganha salário-mínimo ou vive do bolsa família e agradece aos céus a forte maresia que por lá tudo corrói e afasta os moradores ricaços de um cenário deslumbrante de mar, dunas e praia.

A favelização é também uma tônica nas moradas sem a mínima estrutura urbana de habitação.

Até mesmo nos bairros ricos de uma cidade de cerca 2,6 milhões de habitantes (mas cercada por um cinturão de pobreza), vemos casas sem pintura, lojas fechadas, ruas esburacadas, precária coleta de lixo, homens maltrapilhos carregando carrinhos-de-mãos da coleta de objetos para reciclagem, zumbis viciados e escravizados pelo consumo do crack devastador, insegurança causada pelos altos índices de violência urbana, num cenário que me entristece e aterroriza.

As praças públicas dos bairros elegantes estão tomadas por moradores em situação de rua que improvisam barracos de proteção nesses tempos de chuva no nordeste do Brasil. 
Enésima operação policial que nada resolve na cracolândia 

Em frente à Faculdade de Direito, outrora ambiente solene e de vida política pulsante, pululam abrigos de papelão nas suas marquises, improvisados pelos seres que por ali amargam o seu desespero; idem, na Praça da Bandeira, em frente à velha cátedra.

Nos bairros pobres, de moradas sem esgoto sanitário e ruas mal-cuidadas, as casas sem pinturas emolduram a face triste e perplexa de uma população que sequer compreende o porquê de tanta tecnologia em contraste com a precarização de suas vidas sem perspectivas.  

O fenômeno se repete em todas as grandes cidades brasileiras, numa prova de que não é uma questão de má-administração pública localizada, mas de uma realidade sistêmica.
 
O que dizer de São Paulo, a meca do capitalismo da América Latina, com seus problemas de verdadeiras multidões ocupando espaços para o consumo de entorpecentes, as cracolândias?

Também por lá são comuns as ocupações de espaços por sem-tetos, em contraste com uma Avenida Paulista e suas suntuosas catedrais do mundo empresarial e financeiro.
Moradores de rua acampados no Masp (avenida Paulista)

As quais, vale dizer, servem como moldura da decadência no seu entorno a desfigurar e denunciar a ilusória imagem de progresso e de sua “feia fumaça que sobe encobrindo as estrelas”  (Caetano Veloso).

Precisamos de uma reflexão sobre tudo isto! 

Não se trata de uma polarização entre a direita recalcitrante e retrógrada e a oposição a ela por partidos mais ao centro ou à esquerda na geopolítica conformista, mas da urgente adaptação dos saberes adquiridos pela humanidade ao longo de séculos e que ora se condensam de tal forma científica aplicada à lógica funcional de uma relação social segregacionista e autofágica que expõe a necessidade de efetivação de pressupostos adequados à nova realidade social.

Desculpe, minha Fortaleza querida, se lhe tratamos tão mal. (por Dalton Rosado)

terça-feira, 7 de maio de 2024

GOVERNO LULA QUER MATAR OS APOSENTADOS DE FOME

 

A última grande proposta a ser apresentada pelo calhorda governo Lula é algo que fatalmente levará os aposentados brasileiros a morrer de fome. De acordo com reportagem do jornal Valor Econômico, a ministra Simone Tebet, que é uma coadjuvante do patético Fernando Haddad, estaria propondo a desvinculação entre salário dos aposentados e salário mínimo. 

Hoje, pela Constituição, o salário dos aposentados possui isonomia frente ao salário mínimo. Sempre que esse último é reajustado, o primeiro também o é. Esse fato assegura que os aposentados tenham garantido o mínimo para sua sobrevivência, mínimo esse que já é pouquíssimo quando se consideram os imensos gastos com medicamentos, planos de saúde, terapias e outras atividades requeridas para essa faixa etária. E o quadro dos aposentados é ainda pior porque eles não estão mais ativos economicamente, então sua força para pressionar o governo e o capital é muito diminuta, dependendo sempre da ação dos trabalhadores da ativa. 

Assim, ao fazer tal proposta, Tebet, em nome de Lula, está propondo esmagar ainda mais o já parco rendimento dos aposentados, abrindo a porteira mesmo para uma possível não correção desses salários pela inflação. No limite, os aposentados podem passar a viver futuramente em situação de total indigência, igual a milhões de idosos chilenos que foram vítimas do regime de aposentadoria desenhado pela ditadura de Pinochet, podendo mesmo enfrentar a fome. 

Ao governo Lula 3 interessa apenas o pagamento da dívida aos banqueiros, despejar toneladas de dinheiro no agronegócio, entupir os bolsos dos pastores, dos militares e de comerciantes. Para isso, sustenta o Teto de Gastos, atualizado com o nome eufemista de Arcabouço Fiscal, e planeja acabar com os gastos mínimos constitucionais para a Educação e a Saúde. Que morram velhos, que se apodreçam as escolas, que os hospitais fechem, mas que o capital continue em frente explorando, destruindo, pilhando e exaurindo a humanidade e o planeta! Esse é o lema do lulismo! 

E assim, após um ano e meio de governo, vai se confirmando todas as sinistras previsões a respeito do quadro horrendo que se materializaria em um novo governo Lula. No ataque contínuo aos trabalhadores, agora também aos aposentados, o presidente vai marchando a passos rápidos para o fiasco. (por David Coelho) 

SOBRE O DILÚVIO GAÚCHO, A IMINÊNCIA DO FIM, A WEB DA SERPENTE E O INFERNO BOCÓ

Tragédia maior do que as mortes, os refugiados, os dramas e os danos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul é a certeza de que, assim como praticamente nada se fez para atenuar o previsível impacto de tudo isso, nada se fará depois que o dilúvio gaúcho cessar e outro horror qualquer, em qualquer outro lugar do planeta, se tornar o assunto do momento.

Que o aquecimento global e as alterações climáticas produzirão cada vez mais e piores catástrofes passou a ser, já no século passado, um óbvio ululante. E não dá para continuarmos nos iludindo quanto ao fato de que o fim da espécie humana nos espera adiante, bem mais cedo do que supúnhamos. A única dúvida é quando, como e se há escapatória possível.

Bem vistas as coisas, a única esperança que resta é a de que uma ocorrência mais apocalíptica ainda enfim convença todos nós a enfrentarmos unidos nosso pior desafio desde que saímos das cavernas. 

Isto esteve próximo de acontecer em 2011, quando um megaterremoto seguido de um tsunami quase causou ao Japão uma devastação ainda maior que a das bombas atômicas em 1945.

A pergunta que não quer calar é se tal ocorrência apocalíptica sucederá antes ou depois de as consequências cumulativas do aquecimento global se tornarem impossíveis de reversão.

Pois o pior pesadelo será sermos dizimados pelas catástrofes pipocando no mundo inteiro sem sequer vislumbrarmos uma chance de sobrevivência, como os condenados à morte que só esperam a data da execução. 

Vou encerrar com uma autocrítica. Eterno otimista, cheguei a acreditar que a quase impossível (dada a desigualdade de forças) vitória conquistada pelo nosso lado em 2011 no Caso Battisti, contra os poderes avassaladores da imprensa burguesa e as pressões escandalosas de um país do 1º mundo, prenunciavam um cenário no qual a internet nos permitiria confrontarmos com êxito a lavagem cerebral da indústria cultural.

Hoje vejo que aquela foi apenas uma moeda que caiu em pé, com a web em seguida se revelando um ovo da serpente: amplificadora não do pensamento crítico, mas sim da ignorância, do egoísmo e dos preconceitos da maioria da população nesta sociedade reduzida a terra arrasada pela ganância capitalista. 
A igualação não se deu por cima, como sonhei e tantos outros idealistas sonharam, mas bem por baixo, descendo até ao nível do esgoto bolsonarista. 

E, como o simplismo panfletário das fake news é bem mais compreensível para os simplórios do que uma visão crítica dos fenômenos sociais, nunca tantos fizeram seus zurros ecoarem tanto e causando tantas distorções na vida social quanto nestes melancólicos tempos presentes. (numa linha próxima à minha, recomendo a leitura deste ótimo artigo do economista e filósofo Joel Pinheiro da Fonseca).

Paulo Francis, que morreu em 1994, cunhou a expressão inferno bocó (ou pamonha) para denominar o estado de embrutecimento a que foi reduzida a vida cultural na sociedade de consumo, à medida que a prioridade suprema passou a ser a de bajular o consumidor e espelhar suas limitações. 

Não tinha ideia de quão imenso ainda viria a ser o retrocesso civilizatório. (por Celso Lungaretti)

sábado, 4 de maio de 2024

30 DIAS DE GREVE NA REDE FEDERAL: LULA E HADDAD CONTINUAM OS ATAQUES À EDUCAÇÃO

 

A greve do Colégio Pedro II - o mais antigo colégio de ensino médio do Brasil, com quase 190 anos de história - completou 1 mês nesta sexta-feira, 03/04. Junto a ele, praticamente todas as instituições de ensino federais estão em greve, total ou parcialmente. Na última semana, os docentes do CEFET/RJ e da UFF também se declararam em greve, deixando no Rio de Janeiro apenas a UFRJ com os professores fora do movimento. Coincidência ou não, o sindicato dos professores dessa universidade é ligado ao PT.

Sem dúvida, é uma das maiores greves do ensino federal em muito tempo, resultado de anos de defasagem salarial, corte sistemático do orçamento da educação e precarização em série das carreiras de técnicos e docentes. O desastre no ensino público federal pode ser medido pelo altíssimo grau de evasão dos técnicos, atraídos por carreiras mais vantajosas em outros segmentos do poder público, o que leva ao quadro de grave carência de servidores para trabalhar em diversas áreas cruciais do atendimento educacional. 

Na infraestrutura das instituições é também patente o estado de deterioração e abandono. Não raro existem campi com blocos condenados, salas interditadas, paredes desmoronando, elevadores sem condições de uso, etc. Também nessa semana, a reitora do Colégio Pedro II, Ana Paula Giraux, deu entrevista anunciando que o campus Centro, o mais antigo da instituição, onde o próprio Dom Pedro II ia para participar dos exames finais, corre sério risco de pegar fogo. Isso sem contar centenas de Institutos Federais país afora que ainda funcionam em prédios improvisados, mais de uma década após terem sido inaugurados pelo próprio Lula. 

Mas qual a proposta do governo? Uma recomposição salarial tímida, que não chega à metade do que foi pedido, o que já era bem inferior às perdas reais acumuladas. Pior, fizeram uma proposta de ajuste idêntica para professores e técnicos, mesmo sendo as perdas dos últimos muito maiores, e lançaram a deixa na mesa de negociação em Brasília: "levem para as assembleias, quem sabe não aceitam?". A estratégia era claríssima, fazer os professores aceitarem a oferta e induzir que esses abandonem a greve, deixando apenas os técnicos, parte menos visível para a opinião pública. Ato sórdido de um governo sórdido! 

Recusada em massa a proposta, pois em nenhum lugar os servidores a aceitaram, o governo decidiu partir para nova estratégia, o isolamento da educação dentro do funcionalismo público. Para isso, esperará o dia  13 de maio para nova rodada de negociações com os servidores desse setor, enquanto avança com outros. O objetivo é fechar acordos com setores estratégicos e de peso, deixando professores e técnicos com o ônus de uma greve longa e desgastante. Mais sordidez!



Tudo em nome do sacrossanto Teto de Gastos, rebatizado eufemisticamente de Arcabouço Fiscal. Haddad, o pior ministro do governo, cão de guarda do capital, já disse não existir espaço no orçamento para os servidores e que a meta é o déficit zero, o qual só pode ser conquistado às custas dos servidores, dos serviços públicos, da saúde e da educação, sobretudo. 

Lula se elegeu dizendo defender a educação. Mas em que tal defesa vai além de mera retórica oportunista ainda não foi mostrado. Até agora o que vemos é desrespeito, sordidez, demagogia e compromisso com a precarização do ensino público! (por David Coelho) 



Related Posts with Thumbnails